segunda-feira, 27 de junho de 2011

Chantagem Audaciosa - Lynne Graham

Título Original:
The Arabian Mistress
Copyright © by Lynne Graham

Protagonistas:
Tariq Shazad Ibn Zachir e Faye Lawson

Sinopse:


Esposa ou amante?

Implorar clemência para o príncipe Tariq Shazad ibn Zachir era a última coisa que Faye gostaria de fazer. Ela já não via Tariq havia um ano... desde que se separaram logo após terem se casado. No entanto, o irmão de Faye estava aprisionado no país natal de Tariq, e somente o príncipe poderia salvá-lo.
Faye já esperava que o encontro com o homem com quem se casara fosse duro, afinal a separação fora algo rápido e confuso demais para uma paixão que acabara de nascer com força total... Mas a proposta de Tariq a deixou sem fôlego: ele só libertaria seu irmão se Faye concordasse em se tornar sua amante!


Resenha:

Ahhh! Eu como uma apreciadora nata de sheiks e desertos, como o próprio nome do blog já diz, não poderia inaugurar a sessão "sheiks" com outro livro, senão aquele que me fez me apaixonar por eles! Esse foi o primeiro livro que li com sheiks e também, o primeiro livro que li da Lynne Graham. E não deu outra! Fiquei fissurada tanto livro quanto na autora. Eu me encantei tanto por essa história, que acho que já reli, pelo menos, umas 15 vezes e não se trata de nenhuma hipérbole. Já estão até soltando as páginas do meu amado livrinho. E eu que adoro sublinhar as partes que mais gosto, já estou com ele todo sublinhado.. hahaha... Ele, sem dúvida, faz parte dos meus TOPS VIPS ESTRELAS BRILHANTES. Uma marca que criei para marcar meus livrinhos de papel.

Faye é pouco mais que uma adolescente quando conhece o príncipe Tariq em uma festa e se encanta por ele. Para prender sua atenção, ela mente sua idade. Um erro do qual vai se arrepender amargamente. Pensando que Faye é mais velha, Tariq começa a cortejar Faye e ela apaixonada retribui o interesse, até que seu padrasto arma um esquema para chantagear Tariq e uma série de mal-entendidos o levam a acreditar que Faye também está envolvida na tramóia de seu padrasto. Não preciso nem mencionar que ele a deixa e sente um ódio mortal dela, ainda mais quando descobre suas mentiras. Um ano depois, com Tariq já governandte de seu país, devido a morte de seu pai, o irmão de Faye é preso em Jumar e Faye vai até Tariqe para interceder por ele. E óbvio, ele lhe impõe condições. Para pagar as dívidas de seu irmão e fazer com que ele seja solto, ela deve se entregar a ele, coisa que não fez um ano atrás. ´

Esse livro é perfeito e além de tudo, surpreendente, porque nada parece ser o que na verdade é. 

Pontos Altos:

— Bem, só tenho uma declaração a fazer. — Agora Faye já não fazia o menor esforço para esconder o ressentimento que a dominava. — Na verdade eu fiquei muito, muito feliz mesmo, com tudo o que aconteceu, especialmente com o divórcio! Não posso imaginar uma miséria maior do que estar casada com alguém como você!
A tensão no ar era quase palpável. Tariq não se moveu, continuando a observá-la atentamente.
— Isso é verdade?
Apesar de muito pálida, Faye ergueu o queixo e enfrentou-o com ar de bravata.
— Machuquei seu ego, grande príncipe?
— Na verdade, não. — Ele aproximou-se devagar, seus olhos espetaculares sempre nos dela, como um predador prestes a dar o bote. — Você será minha sempre que eu quiser... e, para ser franco, não tenho a menor intenção de tê-la como esposa.
— O que quer dizer com...
O soberano de Jumar tomou-a nos braços sem esforço algum, praticamente como se estivesse lidando com uma criança. Seus lábios cobriram os de Faye em um beijo ardente e ávido. As mãos fortes acariciaram o escultural corpo feminino sem nenhum pudor, exatamente como um pirata ansioso por tomar posse do saque que acabara de realizar.
Por um instante, a mente de Faye oscilou entre fúria e indignação, mas logo uma sensação estranha e excitante passou a dominá-la. Era muito contraditório, mas apesar de estar completamente vulnerável nas mãos daquele homem bárbaro, ela também se sentia inexplicavelmente segura. Logo começou a retribuir o beijo com naturalidade.
Em seguida, agindo abruptamente a ponto de espantá-la, Tariq soltou-a e se afastou.
— Esse não é o momento certo para diversão.
Embaraçada com a própria reação, Faye desviou o rosto imediatamente. Estava muito corada. Tariq dissera que a teria quando desejasse... Por que o ajudara a provar que aquilo era verdade?
— Diga-me, quando fugiu, onde pensou que iria? — ele perguntou.
Aturdida com a pergunta, mas ao mesmo tempo feliz por poder mudar de assunto, Faye franziu as sobrancelhas.
— Para o aeroporto...
— O aeroporto fica a dezenas de quilômetros daqui.
— Não pode ser... — Ela levou alguns segundos para encontrar o mapa dentro da mochila. — Pelo menos de acordo com isso.
— Esse mapa tem mais de meio século, está muito desatualizado. Além disso, todas as informações estão em árabe.
— Não preciso saber ler árabe para reconhecer o símbolo para um aeroporto!
— Nesse caso, o símbolo indica um campo de pouso que foi desativado logo depois do final da Segunda Guerra Mundial.
— Isso não é possível. — Faye estreitou os olhos, examinando o mapa novamente. — Aqui está a cidade...
— Temos mais de uma cidade em nosso país — Tariq informou secamente. — E essa, por acaso, não é a capital. Trata-se de Kabeer, na costa do Golfo. Alá seja louvado por permitir que eu a tenha encontrado antes da tempestade...
— Bem, pelo menos você salvou Omeir, o magnífico. — A tentativa de sarcasmo não foi bem-sucedida.
— É uma situação muito séria para que você faça piadas a respeito — o príncipe disparou raivoso, segurando-a pelo pulso. — Por toda a minha vida fui treinado para cumprir meu dever, e mesmo assim agi como um irresponsável hoje.
Soltando-a, como se o contato com a pele de Faye o tornasse impuro, Tariq suspirou.
Faye sentiu-se muito vulnerável e manteve-se calada.
— Estava no Palácio Haja quando fui informado sobre sua fuga. Teria até ficado admirado com suas acrobacias sobre os telhados do Muraaba se não soubesse da previsão meteorológica, que anunciou uma forte tempestade pela manhã. Agindo contra o bom senso, resisti aos apelos de meus companheiros e embarquei naquele helicóptero. Deve estar se perguntando por que fiz isso? Em condições tão perigosas, eu jamais pediria a um homem para arriscar a vida tentando salvá-la!
O rosto de Faye estava totalmente pálido.
— Não era um risco que eu devia correr, logo eu, que não tenho outro herdeiro a não ser um irmão de quatro anos! —As feições másculas de Tariq estavam rígidas por causa da tensão. — E o pior, estou perdendo tempo com você enquanto meu país, que sempre devo servir em primeiro lugar, encontra-se em estado de emergência!
Compreendendo o que ele queria dizer, Faye sentiu-se terrível. Para resgatá-la, o príncipe se arriscara a pagar um preço alto demais. Pela primeira vez ela entendeu que, diferentemente dela, Tariq tinha que viver duas vidas, uma pública e outra privada.

— Eu realmente sinto muito.
— Consegue entender o que causei? — Os dentes do príncipe estavam cerrados. — Nesse momento todos os esquadrões de defesa civil devem estar realizando uma busca completa por mim, em vez de ajudarem aqueles que realmente foram atingidos pela tormenta!
— E-eu.... eu nem sei o que dizer — Faye balbuciou chocada. — Sinceramente, jamais imaginei que uma tempestade de areia pudesse ser tão séria. Achava que o vento só mudava as dunas de lugar um pouco e...
— Cale a boca antes que eu a estrangule — Tariq interrompeu-a.


***

— Sim, eu sei disso agora, e não quero fazê-la sentir-se mal.
Ela caminhou até a janela. Se tentava não fazê-la sentir-se culpada, o príncipe estava falhando miseravelmente.
— Eu só queria ilustrar como o orgulho ferido pode nos induzir ao erro. Não faça isso agora que conseguimos derrubar as barreiras que nos separavam — Tariq pediu com suavidade.
Os olhos violeta dela, porém, continuavam brilhantes por causa de puro ressentimento.
— É mesmo? E onde eu estava quando isso aconteceu?
— Faye, se você me ama, não existem obstáculos verdadeiros que não possam ser superados com o tempo.
A fúria de Faye não havia sido aplacada. Fora até o Haja para confrontar-se dignamente com o príncipe. Não lhe agradava nem um pouco o fato de ele tentar reverter a situação com jogos verbais.
— Mas o fato é que... eu não o amo — ela disparou por entre os dentes cerrados. — Descobri as maravilhas do sexo com você... nada mais!
As feições de Tariq permaneceram impassíveis, mas era possível notar que toda cor sumira-lhe do rosto.
— É bom saber que servi para alguma coisa — ele disse com frieza.
— Vim até aqui para discutirmos nosso divórcio — Faye anunciou.
— Não podia esperar até que eu chegasse em casa?
Raivosa, ela ficou ainda mais ruborizada.
— Tariq...
— Não tenho intenção de continuar essa conversa em meu gabinete — Tariq murmurou com frieza. — Agora vá para casa.
O príncipe deu as costas a ela, caminhando até a porta, que abriu. Os punhos de Faye cerraram-se com força.
— Eu...
— Latif, Sua Alteza Real, a princesa, deseja chegar em casa rapidamente. Leve-a antes que o tráfego do fim de tarde deixe a cidade intransitável.
Faye ficou tão chocada com o fato de ter sido chamada de “Sua Alteza Real”, que quase colidiu com Latif no corredor.
O ancião escoltou-a até a entrada lateral do palácio e mandou um auxiliar chamar o motorista da limusine.
— Eu sou uma princesa? — Assim que fez a pergunta, ela ficou embaraçada.
— Desse momento em diante, sim — Latif informou cerimoniosamente. — Só o príncipe Tariq tem o poder de atribuir tal título. Você é a segunda princesa na história da família real.
— Verdade? — a voz dela era pouco mais que um sussurro.
O assunto evidentemente tocava profundamente o ancião.
— A mãe do príncipe Tariq foi a primeira a receber tal distinção, mas apenas quando seu filho nasceu. De qualquer forma, vivemos em uma época diferente, de mentes mais abertas, e acho que Sua Alteza Real, o príncipe, está certo ao lhe conceder tamanha honra antecipadamente.
— Honra... — Faye ecoou debilmente.
— Pode interessá-la saber que a partir de agora pode sentar-se ao lado do príncipe Tariq em público e caminhar ao lado dele em condição de igualdade, sem que isso signifique desrespeito. — Notando que ela arregalara os olhos, Latif encolheu os ombros satisfeito. — Sim, estamos estabelecendo um precedente sem igual nessa parte do mundo.

***

— Bem, nós não podemos ficar juntos, então obviamente eu vou para casa, e os detalhes legais podem ser resolvidos mais tarde. Para ser franca, não me importo nem um pouco com isso!

— Faye... — Ele respirou fundo. — Até ontem, você estava feliz. Não há motivo para abrir mão dessa felicidade.
— Talvez você queira que eu continue agindo como sua amante!
— Só você pode responder essa pergunta.
Sentindo o rosto corar violentamente, ela deu as costas para o príncipe.
— Importo-me com você e não quero perdê-la, mas minha paciência tem um limite.
— Justamente o que aconteceu comigo quando fui julgada injustamente por causa daquela chantagem!
— Mas mesmo assim me casei — Tariq murmurou exasperado. — Disse que quis ser minha mulher mais do que tudo no mundo porque me amava, e em um espaço de poucas horas eu esqueci tudo o que havia acontecido e deixei de me amargurar. Acha que eu não tenho coração? Acredita que eu não pude simplesmente sentir que você estava sendo sincera?
Nunca, em toda a vida, Faye sentiu-se tão embaraçada.
— Você me perdoou pela chantagem.
— Sim. Planejava me casar em qualquer circunstância, o que, aliás, aconteceu. O fato de seu padrasto ter interferido foi um problema menor.
Em um esforço frenético, ela tentou reorganizar os pensamentos. Lutar contra Tariq era virtualmente impossível. Aquele homem realmente possuía um poderoso senso de determinação.
— Mesmo assim, nós dois sofremos por um ano inteiro, separados só porque não acreditou em minha palavra. — O tom da frase foi cuidadosamente calculado. — Tenho todo o direito de deixá-lo...
— O que é direito? Deixar um garoto como Rafi apegar-se irremediavelmente a você e depois submetê-lo a mais uma perda emocional? Espero que pelo menos tenha a decência de explicar a meu irmão porque está indo embora, porque eu não quero nem mesmo participar dessa conversa!
Ao dizer aquilo o príncipe caminhou para o vestíbulo, batendo a porta atrás de si com violência. Faye caminhou até a cama, sentando-se na beirada, e sentiu todo o corpo ser dominado por um tremor estranho.
Recapitulou os acontecimentos das últimas vinte e quatro horas como se estivesse pensando na vida de uma pessoa desconhecida. Tariq realmente tinha ferido muito sua auto-estima. De qualquer forma, considerando a situação que criara com as crianças, concluiu que estava envolvida na maior confusão do mundo.
— Tariq? — ela chamou em um tom hesitante.
Ele saiu do vestíbulo, já usando um traje de seda.
— O que foi?
— Nada...
— Ainda não saiu correndo?
— Quero que saiba que eu nunca tive intenção de magoar Rafi, Basma ou Hayat — Faye murmurou em voz baixa.
— Se continua pensando em partir, é melhor que o faça agora. Quanto mais tempo ficar, pior será para as crianças —Tariq disse em um só fôlego. — Não tenho mais nada a dizer.
O silêncio que se seguiu foi tenso. A atmosfera do quarto parecia sufocá-la.
— Vou fazer as malas — ela disse, sentindo a garganta ressecar-se. — Sinto muito.
Tariq não fez comentário algum, limitando-se a ir até a janela, deixando o olhar perder-se na distância. Subitamente era como se, para ele, Faye jamais tivesse existido.
— Eu sinto muito por... tudo — ela sentiu necessidade de completar.
— Eu sinto... você sente... as crianças também ficarão sentidas. — O príncipe não moveu um músculo. Suas palavras vieram carregadas com uma indisfarçável dose de amargura.
— Tariq...
— Gostaria de poder dizer algo profundo. — Inesperadamente, ele girou sobre os calcanhares e foi para a porta, parando diante dela antes de sair do quarto. — Todo o nosso relacionamento não passou de uma comédia de erros, humor negro, talvez. Inshallah.

***

— Você vai ficar. — Não era uma pergunta, mas uma declaração.
— Sim.
— Um homem generoso teria lhe dado uma escolha... mas não posso fingir uma generosidade que não possuo.


Classificação:





3 comentários:

Grê disse...

Acredita que nunca li um livro com sheiks???? To com uma lista de livros pra ler no book reader e uma pilha de livros aqui.... mas vc me deixou com uma devoradora vontade de ler esse!... depois falo o que achei!
bjus

Grê disse...

Li!... Nossa ameiiii... adorei msm...

Luciana Miranda disse...

Ai! Que booooom que vc gostou! Esse livro é fantástico msm!! Amo de paixão!!!
Bjks!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...